top of page

Contaminação de Alimentos


Uma necessidade sempre presente de análise


A contaminação dos alimentos continua a ser um problema permanente. Pode vir da matéria-prima, como em dois exemplos citados neste artigo, ou dos recipientes utilizados no preparo dos alimentos. A exposição a níveis mais altos de toxinas pode ser um problema particular para alimentos básicos que compõem a grande maioria da ingestão alimentar de certos grupos populacionais. No Qatar, o arroz integral constitui a base da dieta de uma parte substancial da população

Shraim e colegas1 analisaram 22 variedades de arroz integral disponíveis no mercado do Catar para elementos essenciais e tóxicos por ICP-MS. As concentrações encontradas (µg/kg) foram: As: 171 ± 78 (62–343), Cd: 42 ± 60 (4–253), Cr: 515 ± 69 (401–639). Um terço das amostras continha altos níveis de arsênico. Diferenças significativas nas concentrações de vestígios de contaminantes foram relacionadas ao país de origem e tamanho dos grãos.

Os altos níveis de arsênico e cromo apresentam um risco carcinogênico seriamente aumentado com base nas altas taxas de consumo de arroz integral de 200 a 400 g/d no Catar. Os riscos não cancerígenos surgem principalmente de Mn, V, Se e Cd. Neste trabalho, todos os utensílios de vidro e plástico usados ​​foram embebidos durante a noite em HNO3 a 10%, completamente enxaguados com água destilada e, finalmente, com água Tipo 1 (resistividade 18,2 Ω.cm) obtida de um sistema de purificação de água ultrapura Elga PureLab Chorus. A água do Tipo I também foi usada para todos os brancos e padrões.

As tradicionais cafeteiras de cobre são amplamente utilizadas e o consumo diário de café preparado em panelas usadas em demasia/velhas aumenta o risco de ingestão de cobre. Ercan et al.2 usaram um método de microextração em fase líquida à base de solvente comutável (SS-LPME) para isolar e pré-concentrar cobre da água fervida em cafeteiras. O cobre foi determinado por um sistema de espectrometria de absorção atômica com chama (FAAS) acoplado a um tubo de quartzo com fenda (SQT). 1,5-difenilcarbazona foi adicionado a amostras aquosas para formar um complexo com cobre antes da etapa de extração. Os limites de quantificação e detecção do método otimizado SS-LPME-SQT-FAAS foram determinados como 9,1 e 2,7 μg/L, respectivamente.

A água ultrapura utilizada para a preparação de amostras, brancos e padrões foi obtida de um sistema de purificação de água Elga PureLab Flex 3.

Em contraste, Barbante e sua equipe3 que analisaram amostras de leite de vaca e cabra da região de Veneto, no nordeste da Itália, não encontraram níveis tóxicos de contaminantes. Eles determinaram o conteúdo de 17 oligoelementos (Al, V, Cr, Mn, Fe, Co, Ni, Cu, Zn, As, Se, Sr, Cd, Cs, Ba, Pb, U) e 14 elementos de terras raras no soro de leite amostras de leite de vaca e cabra por espectrometria de massa de plasma indutivamente acoplado e espectrometria de massa de campo de setor de plasma indutivamente acoplado.

Antes de cada execução analítica, as soluções interna e externa foram preparadas a partir das soluções correspondentes, diluindo com água ultrapura de um Elga PureLab Chorus 2. Um total de 261 amostras de soro de leite foram coletadas em quatro locais. As amostras continham uma ampla faixa de concentração de 17 oligoelementos (0,06–1530 μg kg−1) e 14 elementos de terras raras (0,16–28,2 ng kg−1), mas não atingiram concentrações tóxicas. As impressões digitais elementares de elementos traços e terras raras no soro de leite de vaca e cabra fornecem informações sobre a qualidade do leite e, por refletirem as condições ambientais locais, resultam em um excelente indicador de sua origem geográfica.

As toxinas também podem ser concentradas por insetos. Al-Alam e colegas4 desenvolveram um método analítico para a análise simultânea de 90 pesticidas, 16 hidrocarbonetos aromáticos policíclicos e 22 bifenilos policlorados em mel. O método foi baseado na extração usando acetonitrila seguida por uma limpeza de extração em fase sólida dispersiva usando amina primária-secundária e octadecil (C18). O extrato obtido foi concentrado por evaporação e então reconstituído com acetonitrila para prepará-lo para análise cromatográfica por cromatografia líquida–espectrometria de massa em tandem triplo-quadrupolo e cromatografia gasosa–espectrometria de massa em tandem de armadilha de íons, que foi precedida por uma etapa de pré-concentração usando sólidos micro-extração de fase com fibras apropriadas.

A combinação das duas etapas de extração garantiu uma limpeza eficiente do extrato. A utilização dos dois instrumentos analíticos permitiu a análise confiável de um grande número de poluentes. Os limites de detecção e quantificação foram inferiores a 20 e 60 ng/g respectivamente para os compostos analisados, e as recuperações ficaram entre 60% e 103% para a maioria dos compostos. A análise de amostras reais de mel mostrou a presença de sete pesticidas e nove hidrocarbonetos aromáticos policíclicos. Água ultrapura de um sistema de purificação de água Elg PureLab foi usada em toda a preparação e análise da amostra.


29 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page